ABSURDO: Soldado Bombeiro é expulso por publicar no Facebook - ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

ABSURDO: Soldado Bombeiro é expulso por publicar no Facebook

O Soldado Mol do Corpo de Bombeiros do Estado do Espírito Santo foi expulso da corporação por ter expressado sua opinião no Facebook. Um punição pesada demais pra quem disse apenas a verdade.

19/07/2014 - [15:11] - Notícias

Esta informação é uma das que tenho vergonha em vincular em nosso site. Dizem por aí que militares são cidadãos de segunda categoria, alijados de todos os direitos de um cidadão comum. Será verdade?

O Soldado Mol do Corpo de Bombeiros do Estado do Espírito Santo foi expulso da corporação por ter expressado sua opinião no Facebook. Um punição pesada demais pra quem disse apenas a verdade.

Como uma corporação trata o profissional que tanto ama sua profissão, dedicado com o serviço, com ficha exemplar, que o seu único "erro" foi lutar por melhores condições de trabalho, por melhores salários, por dignidade?

Onde estão os sites e blogs especialistas em Segurança Pública que não fizeram nenhuma menção ao caso? Onde está a imprensa nessas horas? Onde estão os chamados representantes de classe e associações? Onde está a justiça?

Publicação da expulsão do militar:

Abaixo, a emocionante carta escrita pelo Soldado Mol após ser expulso da corporação:

Caros amigos,

Venho agradecer ao intenso e caloroso apoio dado por vocês nessa batalha que se perdura a longos e pesados 9 meses de Processo Administrativo e Inquérito Policial Militar que estou respondendo por ter desabafado no calor do momento, nessa mesma Rede Social, alguns fatos ou visões referente a rotina de serviço no âmbito do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo. 

Com o estresse de uma cirurgia sofrida e no momento em que vivíamos (referente às manifestações em todo o país em que almejávamos mudanças em nosso cenário político, social e econômico) fui movido pela emoção e acabei por fazer uma publicação cujas palavras foram um tanto quanto exageradas, mas com toda certeza do mundo, não era para chegar na atual situação em que se encontra, aliás, eu nem imaginaria que estava sujeito a tais sansões, já que houveram fatos mais graves e os mesmos não tiveram tal desproporcionalidade de tratamento. Saliento que na mesma época da publicação, estávamos nós militares à espera do tão sonhado e almejado aumento/realinhamento salarial prometido a tempos, bem como a espera da abertura do quadro organizacional que levaria a inúmeras promoções, o que de fato ocorreu. Porém de uma forma que deixou a todos nós praças descontentes com a diferenciação de aumento/correção/realinhamento dos ganhos. Durante essa longa espera, não foi nos dado nenhuma posição que zelasse por nossa tranquilidade (como dito no RDME como obrigação) e diante disso o nervosismo na caserna só aumentava com a protelação de datas para que se fosse resolvido nosso destino (como alguns disseram, por serem os senhores de nossas vidas e destinos) o que eu culminou em algumas punições por termos feitos publicações no Facebook.

Hoje me encontro excluído da Corporação na qual entrei para conseguir ajudar a minha família, mais diretamente ao meu pai e que a dois meses da minha formação sofreu um grave acidente de moto e veio a falecer. Sou apaixonado por essa profissão que aprendi a executar e me dedico, fazendo o bem e a trabalhando sem medo, prestando o melhor serviço que me cabe à sociedade. 

Então me propus a modificar esse cenário de injustiça que os meus colegas que tanto amam a farda são submetidos. Creio que para se gerir uma organização qualquer não se precisa agir pela força nem pela sua posição diante dos subordinados. Trate-os com respeito e humanidade e todos serão recíprocos. 

Estou totalmente triste, arrasado, por ter perdido a farda na qual lutei para conseguir, mas Deus sabe o que faz e me vejo numa posição que talvez me abra novos caminhos e que me faça lutar para mudar o cenário injusto que vejo em vários lugares na sociedade. Porque apesar dos pesares e sabendo o que é errado e às vezes fazendo o errado, fui ensinado por pai e mãe que devemos prezar pelo correto, ser homem, honesto e justo e é por isso que prezo e vou lutar. 

E tenham certeza que continuarei BOMBEIRO independente do uso da farda, porque o coração já foi forjado a ajudar a quem precisa, não em 9 meses de curso de formação de soldados, mas sim em 28 anos de vida junto aos princípios de minha família. 

Obrigado a todos. 

Deus no Controle

Fonte: www.pec300.com

Comentários

Enviar Comentário

  • 14/08/2014 - Espirito Santo
     

    Esse comentário de se não esta satisfeito pede pra sair e ridículo,os militares devem ser respeitados e tratados de forma isonômica, ate porque os praças são 90% da força e somos nós quem fazemos o nome da corporação!

  • 29/07/2014 - Porto Velho
     

    Ei amigão... esse discurso de: quem não esta gostando sai... é passado...
    na verdade tudo tem que ser melhorado neste país...

  • 22/07/2014 - porto velho
     

    Então... tem um item no código dos pm/bm que proíbe qualquer expressão de repúdio à corporação. Em meu entender (não sou o dono da verdade) se alguém está insatisfeito com uma situação, sobretudo no serviço público, converse com o seu superior ou então saia e procure algo melhor. Agora, isso não muda a situação bisonha a que estão submetidos os bombeiros militares, não só de SC mas os de RO também. mas enfim, os `homi´ preferem a copa, fazer o quê!? E você que pensa em prestar o concurso para bombeiro, já vá estocando calmantes por aí...

  • 22/07/2014 - Fortaleza CE
     

    É revoltante, tomaram sua farda porquê é peixe pequeno. Perdeu o emprego mas não perdeu a dignidade. Dias difíceis também chegam ao fim, estude, não perca a esperança, pra tudo tem seu tempo.

  • 22/07/2014 - Cacoal
     

    Se tudo o que ele disse é verdade, a punição foi correta, ao ponto do soldado dizer que se envergonha da corporação que o sustenta, isso ja é suficiente para entender que este nao era o lugar dele. "O homem se prende por suas palavras" isso é biblico. é uma pena que continuemos a não ser reconhecidos por autoridades, mas, deixe que eles sejam eles, e nos seremos nos. um dia, tudo o que nao nos foi dado por direito, sera creditado por merecimento.

  • 21/07/2014 - parana
     

    o que esse militar falou de errado...na verdade cansou de ser escravo de um sistema obsoleto onde a classe subalterno" praças em especifico" ficam sujeitos aos rigores da lei ...lei? que só beneficial uma outra classe ....voltamos aos senhores feudais e vassalos? devemos rasgar a constituição porque pelo jeito não há mais serventia ...será que as vidas que esse soldados ajudou a resgatar e salvar devem estar felizes com isso? ou pensando na arrogância dos senhores da razão não terem o expulsado antes de os ajuda-los dando graças a Deus não é....porque com certeza não foi nenhum desses senhores que ajudaram essas pessoas na hora da necessidade. infelizmente tal punição é severa de mais....acredito que haveria outra forma de puni-lo sem rasgar a sua farda.

  • 21/07/2014 - Rio de Janeiro
     

    Absurdo! Isso é uma injustiça! Esse soldado merece é ser promovido e exaltado por ter aguentado ficar no bombeiro trabalhando por um pais melhor e recebendo uma merreca! Na verdade ele não esta trabalhando pela nação mas pelos oficiais,

  • 20/07/2014 - Piraquara?Paraná
     

    A crítica em si é natural do ser humano, traduzindo um direito impregnado de qualificação constitucional, plenamente justificável aos que exercem qualquer atividade de interesse da coletividade em geral, pois o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as pessoas públicas ou as figuras notórias, que exercem, ou não, cargos oficiais na administração pública. Assim sendo qualquer cidadão não deixa de cumprir prescrições expressamente estabelecidas seja lá quais forem previstas em leis, estatutos, regulamentos e outros dispositivos legais, ou seja, o pretenso “delito de opinião” não tem tipificação como crime ou contravenção penal, por isso naturalmente não há violações que afetem preceitos de hierarquia, de disciplina, de ética, de honra pessoal, de pundonor ou decoro seja lá de qual classe profissional. A crítica nos meios de comunicação social feitas por cidadãos ás pessoas públicas e a figuras notórias, por mais duras e veementes que possam ser, deixa de sofrer, quanto ao seu concreto exercício, as limitações externas que ordinariamente resultam dos direitos de personalidade. Ou seja, não induz responsabilidade penal, administrativa e civil seja lá de quem for, a publicação de texto com crítica, em algum meio de comunicação de massa, cujo conteúdo divulgue observações em caráter mordaz ou irônico ou, então, veicule opiniões em tom de crítica severa, dura ou, até, impiedosa, ainda mais se a pessoa, a quem tais observações forem dirigidas, ostentar a condição de figura notória ou pública, investida, ou não, de autoridade governamental, pois, em tal contexto, a liberdade de crítica qualifica-se como verdadeira excludente, apta a afastar o intuito doloso de ofender, ou seja, à liberdade de expressão é direito básico de qualquer cidadão, inscrito em cláusulas pétreas da Constituição Federal no seu Art. 5º: “IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato” e “IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.”

  • 20/07/2014 - Fortaleza
     

    Aqui no Ceará cerca de 2.000 policiais e bombeiros assistiam a uma reunião garantida pela constituição onde nela avaliaríamos um acorda NÃO CUMPRIDO pelo governo do estado e desse total 10 foram pegos "pra cristo" e demitidos da sua corporação e outros tantos ficaram 10 dias presos nos quartéis. Assino em baixo o comentário do Soldado Mol. Você perdeu o emprego, mas não perdeu a dignidade.

  • 20/07/2014 - Porto Velho
     

    O argumento dele era bom, mas as palavras foram exageradas. Concordo completamente com o conteúdo de sua mensagem, porém, pesa o fato de colocar algumas palavras de baixo calão e dizer que militarismo é uma merda algo que, particularmente, não acho. O início de seu discurso estava razoável, mas, perdeu-se no final e desbandou para as ofensas à instituição. O fato de prestar continência é uma tradição, um gesto internacional e talvez milenar, inerente ao próprio militarismo. Enfim, faltou razoabilidade no seu discuros, porém, também não acho que tenha sido tão grave para que perdesse sua farda. Exagero de ambas as partes.

  • 20/07/2014 - jaru
     

    MEUS PARABENS,PELA BRAVURA,CORAGEM,NAO ESQUENTA NAO DEUS,VAI ABRIR AS PORTAS DE UM EMPREGO MELHOR.

  • 20/07/2014 - joao pessoa paraiba
     

    isto e uma verdadeiro absurdo e persseguissao mais amigo entre na justiça que o juiz vai da direito de vc volta e receber seus retroativos e aina entre com uma açao contra o cmt por abuso de autoridade isto tem que acabar na pm

  • 20/07/2014 - scrpardo / sp
     

    o bombeiro decidiu por se expressar, mas algumas palavras e tempo de serviço pesam negativamente contra ele..........ele poderia se expressar de uma forma mais camarada e humilde, foi corajoso, mas enfim no militarismo o ser é um numero registrado, que pode ser retirado com o aval de alguns superiores descontentes com uma situação.........e isso pode ocorrer na inciativa privada. Cabe ao prejudicado buscar a justiça comum, para que possa ser refeita a decisão e reingresso na corporação.....Tbem sou militar, tenho que trabalhar moldado e não esperando os parabens pelos bons feitos e tomando cuidado com certas posturas e atitudes.

  • 20/07/2014 - Sao Paulo
     

    Infelizmente, esse não é um caso isolado . Em Itápolis , interior de S.P. , acontece a mesma coisa . Vários GCM exonerados , funcionários da prefeitura e enfermeiros da Sta Casa que está sob intervenção municipal , são exonerados ou demitidos sem justa causa. Cidades sem lei onde o Sindicato de Categorias e o Executivo convivem em harmonia e cumplicidade.

  • 19/07/2014 - SAO PAULO
     

    UM ABSURDO!ESSE RAPAZ NÃO PARTICIPOU APENAS DE UMA ENTREVISTA PARA ESSE CARGO.ELE SE PREPAROU E MUITO PARA REALIZAÇÃO DE UM SONHO,SE ELE ESTÁ LÁ PORQUE AMA O QUE FAZ. PRESTOU CONCURSO É POR MERECIMENTO E COMPETÊNCIA.

  • 19/07/2014 - porto velho rondonia
     

    AO LÊ UMA MATÉRIA DESSA FICO A PENSAR A CF 88 NOS SEUS ARTIGOS,INCISOS,ALÍNEAS E PARÁGRAFO EM NENHUM MOMENTO NOS EXCLUI DOS DIREITOS SOCIAIS PERTINENTES.

ASSFAPOM

Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Rua. José Camacho, 2222 - São João Bosco

Porto Velho - RO

(69) 9307-9449-9251-1063 - (69) 3214-7500

Presidente: Jesuino Boabaid

REDES SOCIAIS
Acompanhe nas redes sociais, a luta que travamos em favor de nossos associados.

Copyright © 2017 - ASSFAPOM - Todos os direitos reservados.

5Digital Comunicação